Blog Luposeli

- Artigos

Coleta de células-tronco: mais um assunto para a Odontologia

O que são as células-tronco e para que servem

 

As células-tronco podem ser definidas como aquelas que se diferenciam das outras devido ao seu poder de se renovar, dividindo-se e transformando-se em novas células.
Close-up of a young woman smiling
Além de se replicarem várias vezes, dando origem a outras células-tronco ou a outros diferentes tipos de células, as células-tronco

possuem a capacidade de se desenvolver de maneira programada, atendendo a funções específicas do organismo, de acordo com os estímulos que recebem.Na prática, a pesquisa relacionada ao uso das células-tronco tem entre os seus principais objetivos: entender o crescimento, o funcionamento e a manutenção do organismo ao longo da vida adulta, compreender os mecanismos que desencadeiam doenças e promover a cura dessas doenças, trocando-se as células já adoecidas por células novas e saudáveis. E, embora esse tipo de aplicação em seres humanos ainda esteja em estágio inicial, os resultados têm sido cada vez mais promissores. Para se ter uma ideia, hoje já se sabe que é possível fazer uma córnea completa a partir das células-tronco colhidas da polpa de um dente de leite!

A produção de uma nova córnea a partir da célula-tronco coletada da polpa de um dente de leite é resultado de uma extensa pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) que já se encontra em fase final, sendo testada em humanos. Com isto, espera-se que o paciente possa realizar um transplante de córnea sem a necessidade de um doador!

 

Coleta das células-tronco a partir da polpa dos dentes de leite e do siso

 

Basicamente, as células-tronco podem ser divididas em embrionárias ou adultas. No primeiro caso, são extraídas do embrião depois de 4 a 5 dias da fecundação; no caso das células-tronco adultas, estas podem ser coletadas de qualquer tecido, mas são encontradas principalmente no sangue do tecido do cordão umbilical, na medula óssea e, mais recentemente, na polpa do dente de leite.

A célula-tronco do tecido do cordão umbilical terá, em média, 9 meses, e a célula-tronco da polpa do dente de leite é a segunda mais nova, com cerca de 6, 7 anos. Uma das maiores vantagens das células-tronco da polpa do dente de leite é que são células que sofreram menos agressões do meio ambiente.

siso denteSabe-se que, quanto mais jovem a célula-tronco, maior o seu potencial. Porém, para a coleta desse tipo de célula pela polpa do dente de leite, é fundamental que o dente não esteja muito amolecido, quase caindo, pois, em casos assim, a polpa do dente já “morreu” – isto é, já se encontra sem irrigação. Em contrapartida, extraí-lo precocemente, quando ele ainda está nascendo ou íntegro (totalmente firme), também pode ser prejudicial. O ideal é que se extraia o dente de leite quando ele ainda está começando a amolecer.

Por essa razão, a recomendação é a de que a decisão pela coleta da polpa do dente leite seja tomada pelos pais antes de que ele caia. Além disso, a sua extração deve ser realizada pelo cirurgião-dentista, que deverá conhecer os devidos critérios para esse tipo de procedimento e enviar o dente removido ao laboratório especializado, onde o material será processado e armazenado.

Em relação ao dente do siso, a orientação é a mesma. Vale registrar que, a respeito da coleta de células-tronco desse tipo de dente, é importante que ele ainda não tenha irrompido.

 

Coleta de células-tronco na Luposeli: mais uma inovação da Clínica para beneficiar os seus pacientes

 

A Luposeli, que é referência em tratamentos com tecnologia inovadora na área odontológica, está desenvolvendo uma parceria com o Laboratório Criogênesis, uma empresa de biotecnologia líder no mercado e com padrões internacionais de qualidade.

Equipada para realizar a coleta da polpa do dente de leite ou do dente do siso, de acordo com a prévia análise dos seus profissionais, a Clínica enviará o material para o Criogênesis, colocando-o dentro de um kit especial de transporte. Já no laboratório, as células-tronco serão extraídas, colocadas em cultura (por cerca de 30 a 40 dias) para serem multiplicadas e, depois disso, congeladas de forma fracionada, sendo criopreservadas por um longo período de tempo, mediante um investimento que será pago anualmente pelo paciente e cujo valor é bastante acessível, sobretudo quando se consideram as possibilidades futuras da medicina em geral.

Estudos apontam para um armazenamento das células-tronco com duração de 25 anos, período este depois do qual o material foi descongelado e a sua utilidade foi devidamente conservada.

Hoje, no mundo todo, são empreendidas grandes pesquisas sobre o uso de células-tronco voltado, por exemplo, ao diabetes, ao Alzheimer, à lesão cardíaca e a inúmeras outras patologias. E, na ocasião em que forem descobertos os tratamentos de doenças a partir da utilização das células-tronco (com a sua aplicação devidamente autorizada pelos órgãos competentes), o paciente poderá requisitar ao laboratório uma dessas amostras com as suas próprias células-tronco.

Comentários (4)

  1. Luposeli Odontologia - 09 Oct, 2014

    Olá, pessoal!

    Fiquem à vontade para fazer comentários sobre o que acharam do artigo e/ou para fazer perguntas!

    As respostas serão sempre enviadas via e-mail para todos vocês.

    Para agendar uma consulta ou tirar dúvidas rapidamente, ligue:
    (11) 2888-8666 / 2925-2035.

    Att.,
    Equipe Luposeli

  2. Lucia Natalina Vieira - 24 May, 2016

    Boa tarde.

    Tenho perda ossea muito grande, esse tratamento seria indicado para o meu caso..

  3. Amalia - 11 Aug, 2016

    Boa noite, estou fazendo um artigo em banner para a faculdade, sou estudante de odontologia , e gostaria de saber se posso citar seu nome é parte do seu texto como informativo

  4. EDGARD - 25 Feb, 2017

    Acredito que muitas pessoas não tem informações da possibilidade da criopreservação do dente do siso, liguei para o INCA e ninguém souber explicar como funciona

Comente