Blog Luposeli

- Artigos

Bruxismo: da ideia de “feitiço” ao correto tratamento

Bruxa”… “Bruxaria”… “Bruxismo”… O radical destas palavras é o mesmo: “brux”. Mas o que será que fez com que se associasse ao hábito de ranger os dentes o nome de “bruxismo”?

bruxismo dentesAcontece que, historicamente, acreditava-se que o hábito de ranger e/ou de apertar fortemente os dentes uns contra os outros, também conhecido como “bruxismo”, fosse desencadeado por uma espécie de “feitiço” – uma “atribuição” própria das bruxas. Hoje, porém, embora a causa do bruxismo permaneça desconhecida (o que se sabe é que está relacionada ao sistema nervoso central), alguns pesquisadores acreditam que ela possa estar associada a questões emocionais.

 

bruxismo dentalA ação de ranger/apertar os dentes se dá quase sempre de maneira inconsciente, podendo tanto ocorrer durante o sono quanto durante o período em que se está acordado – ou, ainda, nessas duas situações. Muitas vezes, a ação não costuma ser percebida pelo próprio portador do distúrbio, e sim pelas pessoas à sua volta, que podem se surpreender com o som estridente que o indivíduo é capaz de produzir enquanto dorme.

Para se ter uma ideia, o bruxismo desencadeia movimentos rítmicos que se comparam aos da mastigação. E é assim, motivado pelas fortes dores e pela fadiga que sente nos próprios músculos da mastigação ao despertar, que o indivíduo acaba procurando ajuda profissional. Tais dores, provocadas pela compressão excessiva desses músculos, podem afetar o rosto, o pescoço, os ombros, o ouvido e a cabeça, de modo a acentuar ainda mais os sintomas daqueles que já sofrem com dores de cabeça ou com as chamadas dores orofaciais.

Embora se estime que mais de 60% da população seja identificada como portadora de algum grau da disfunção temporomandibular (DTM), apenas cerca de 1/4 desse montante realmente apresenta sinais severos e precisa de tratamento. E, apesar de teoricamente não haver distinções entre os gêneros, a grande maioria das pessoas afetadas por essa doença é composta por mulheres na chamada idade fértil, que vai dos 15 aos 45 anos. Em relação ao bruxismo, a doença pode atingir qualquer pessoa, indiscriminadamente, incluindo-se aí as crianças.

Infelizmente, na maioria dos casos, o diagnóstico é feito somente depois do surgimento de certas complicações, como dores e perdas ósseas no maxilar, desgastes nos dentes (tanto no esmalte quanto em relação a quebras e fissuras, ocasionando hipersensibilidade à temperatura dos alimentos) e travamento das articulações, consequências estas que podem levar à destruição do osso circunvizinho e do tecido da gengiva.

Ranger os dentes durante o dia também é um tipo de “bruxismo”?

Conforme já foi mencionado, o bruxismo é a ação – geralmente inconsciente – de ranger/apertar os dentes durante o sono ou em fase de vigília. Algumas pessoas podem apresentar o problema em ambas as fases, conquanto estudos mostrem que elas apresentam componentes um pouco diferentes.

Combatendo o Bruxismo: como diagnosticar e tratar?

bruxismo tratamentoApresentados os primeiros sintomas de dentes doloridos e/ou desgastados, dores mandibulares e/ou dores musculares frequentes na região das faces, deve-se procurar o cirurgião-dentista, que é o profissional correto para fazer o diagnóstico do bruxismo, encaminhando o paciente para profissionais de outras áreas, como médicos e fisioterapeutas, quando se fizer necessário.

Além da sua avaliação clínica, por meio da qual o dentista analisará se os desgastes e/ou as dores estão sendo originados pelo bruxismo, a solicitação de uma polissonografia (exame no qual se investiga os distúrbios do sono e as suas variáveis fisiológicas) ajudará a identificar o grau do problema, prescrevendo-se a partir daí a terapêutica específica.

Uma vez que a influência emocional no bruxismo não está descartada, existem algumas indicações do que pode ser feito para amenizá-lo, entre as quais:

– utilizar placas interoclusais, indicadas para a prevenção de maiores danos ao sistema mastigatório, pois ajudam a reduzir o atrito que provoca o desgaste e o estremecimento dos dentes;

– praticar esportes e/ou exercícios de relaxamento, que ajudam a controlar o estresse e as crises de ansiedade que podem agravar ainda mais o bruxismo;

– buscar o equilíbrio das articulações mandibulares por meio de exercícios próprios para esta finalidade;

– relaxar a face e os músculos da mandíbula, massageando-os (há quem sugira a aplicação de uma toalhinha quente e úmida, cujo efeito pode atenuar a dor);

– realizar sessões de psicoterapia paralelamente ao tratamento corretivo feito pelo cirurgião-dentista, identificando e “trabalhando” as dificuldades emocionais que podem estar ligadas ao distúrbio, quando houver indicação para isso;

– eliminar hábitos como apertar ou mordiscar objetos e mascar chicletes.

No mais, também é importante destacar que, além da associação com o estresse, alguns problemas oclusais (mau posicionamento dos dentes) podem, em certos casos, desempenhar algum papel sobre o problema. E, para quem quiser saber mais sobre o assunto, basta agendar uma consulta no SPA Odontológico Luposeli, onde uma equipe de profissionais altamente qualificada orientará cada paciente segundo as peculiaridades de cada caso, tratando do bruxismo e de tantos outros distúrbios odontológicos com os melhores e mais avançados recursos da moderna ciência nesta área.

Comentários (2)

  1. Luposeli Odontologia - 14 Apr, 2014

    Olá, pessoal!

    Fiquem à vontade para fazer comentários sobre o que acharam do artigo e/ou para fazer perguntas!

    As respostas serão sempre enviadas via e-mail para todos vocês.

    Para agendar uma consulta ou tirar dúvidas rapidamente, ligue:
    (11) 2888-8666 / 2925-2035.

    Att.,
    Equipe Luposeli

  2. Web Hosting - 19 Dec, 2016

    Voce perceber que seu filho, por exemplo, esta rangendo ou apertando os proprios dentes, ou se ele apresenta, ainda, outros sinais ou sintomas de bruxismo.

Comente